Matérias

Campanha arrecada livros para renovar bibliotecas de unidades prisionais do AM. Projeto “Ler Liberta” incentiva a leitura entre detentos e colabora para a redução da pena.

– (reportagem: Jackeline Farah – fotos: Divulgação Seap) –

O Projeto “Ler Liberta”, da Escola de Administração Penitenciária, cumpre a lei 12.433 de 2011. A lei  prevê que o condenado em regime fechado ou semi aberto poderá diminuir 1 dia da pena a cada 12 horas de atividades de estudo e passou a criar e organizar bibliotecas em unidades prisionais na capital e no Interior.

A diretora da escola, Sônia Cabral, explica como o projeto funciona na pratica. “Ele (o detento) fica com o acompanhamento dos técnicos – principalmente do professor da Seduc (Secretaria de Estado da Educação) – para que ele possa escrever aquilo que ele entendeu sobre o livro, né (?), e, depois, ele vai passar por um momento de avaliação oral, então concluída a parte escrita, aí ele vai pra uma avaliação oral, também de uma banca, né?”

Para manter as bibliotecas das cinco unidades de Manaus e a de Maués e Tefé, é preciso contar com a doação de livros, ela orienta que alguns títulos são proibidos. “Nós pedimos à comunidade que participe com livros que possam ser direcionados – literatura brasileira, literatura amazonense, romances – mas que não venham fomentar a violência e o crime. Tudo isso é preciso realmente ter uma triagem.”

Em oito anos, mais de dois mil detentos – entre homens e mulheres – já aderiram ao projeto de leitura e foram aprovados nos testes que dão direito de reduzir a pena. “Ele (o detento) tem que ler em 30 dias, nesse prazo de 30 dias, são 4 dias de pena remidos. Ao longo de 1 ano, se ele ler 1 livro por mês, ao final do ano, ele vai ter 48 dias remido.”

As doações de livros podem ser feitas na sede da Seap, no centro de Manaus.

Deixe seu comentário

Rádios

Arquivos

  • Arquivos

  • Links

    Links