Matérias

As transmissões ilegais do Amazon Sat em toda Amazônia

Do bairro do Aleixo, em Manaus - a Rede Amazônica gera sinais ilegais para retransmissoras em toda a Amazônia

Do bairro do Aleixo, em Manaus – a Rede Amazônica gera sinais ilegais para retransmissoras em toda a Amazônia

No ano de 2001, o então presidente da república, Fernando Henrique Cardoso, criou o serviço de retransmissão de televisão (RTV), no âmbito do Ministério das Comunicações.

A ideia do governo era levar o sinal das geradoras de TV (Globo, SBT, Bandeirantes, Record etc)  para as pequenas cidades brasileiras.

O decreto presidencial estabeleceu que as RTVs teriam caráter precário e só poderiam retransmitir sinais gerados a partir de estações geradoras. Isso quer dizer que as retransmissoras não poderiam gerar programação própria, isto é, não podem ter programas locais, somente àqueles originados de uma geradora (concessão).

Pegando carona no decreto presidencial, usando do tráfico de influência e de prestígio político, muita gente conseguiu dezenas de autorizações para montar redes de retransmissoras no Brasil afora, mas sempre captando sinais de geradoras.

Aqui na região, o empresário Phelipe Daou – da Rede Amazônica, montou o Amazon Sat, hoje administrado pelo filho Phelipinho Júnior, espalhando retransmissoras em todo Amazonas, Acre, Rondônia, Roraima e Amapá.

Na hora de aprovar os projetos técnicos no Ministério das Comunicações, o Amazon Sat foi obrigado a apresentar qual seria a estação GERADORA dos sinais para as retransmissoras espalhadas em toda Amazônia. Ocorre que a estação GERADORA do Amazon Sat é uma RETRANSMISSORA, que por lei, só poderia receber sinais e nunca gerar.

A escandalosa ilegalidade praticada pelo Amazon Sat perdura vários anos. A retransmissora localizada em Manaus, no bairro do Aleixo, gera programas  “ao vivo” para todo país, o que aliás é outra ilegalidade. Além de gerar programas locais, ainda o faz instantaneamente, o que é vedado por lei.

Os abusos do Amazon Sat são mais gritantes. Além dos programas “ao vivo”, ainda tem as transmissões de grandes eventos, como foi o Festival Folclórico de Parintins, a Ciranda de Manacapuru A Festa do Açai e tantos outros, uma mamata que rende muitos milhões para o grupo.

 

4 Comentários para “As transmissões ilegais do Amazon Sat em toda Amazônia”

  1. Marcelo Guerra disse:

    RT, Mermão, isso é um verdadeiro garimpo sem malária.

  2. A.Reys disse:

    Tem que denunciar mesmo…..todos os dias, em todas as mídias!!

  3. Impecável o artigo. Só há um erro: O DECRETO Nº 5.371 DE 17 DE FEVEREIRO DE 2005, permite, em seu Artigo 33 a geração ao vivo, mas somente em 15% do horário. Nesse caso, seria 3,6 horas. O resto está correto. Esse Decreto aprova o Regulamento do Serviço de Retransmissão de Televisão

  4. josé floriano santos disse:

    Sua matéria é de imensa importância e deveria ser fiscalizada pelo Ministério das comunicações. Mas esse grupo de comunicação vai além de desse crime,inclusive com sua FUNDAÇÃO, que ao meu ver, deveria ministrar seus curso de graça, já que recebe recursos do gov. federal, mas cobra mensalidades astronômicas e depois usa esses alunos em suas empresas por períodos pequenos e os descarta coloca outros alunos e assim segue cometendo ilegalidade….

Deixe seu comentário

Rádios

Arquivos

  • Arquivos

  • Links

    Links