14JAN

SER MÃE

 

RECEBI ESTE E-MAIL DA MINHA AMIGA SALVINHA.  ADOREI E PUBLICO PARA TODOS.

Ser mãe

Ser mãe de uma criança com necessidades especiais faz com que o papel de mãe tome um rumo e uma dimensão jamais antecipada. As mães se tornam coordenadoras pedagógicas, enfermeiras, terapistas e militantes de uma causa. As mães aprendem jargões técnicos, procedimentos médicos e técnicas educacionais específicas.

Enquanto enfrentamos exaustão e frustrações, nos tornamos mais fortes e mais maduras. Nós cuidamos dos nossos filhos com necessidades tão específicas sem um pré-treinamento formal e com um reconhecimento e suporte limitado da comunidade em que vivemos.

As mães que seguem com seus trabalhos por necessidade financeira sentem-se constantemente em falta, e as mães que conseguem ter a opção de ficar em casa e dedicarem-se aos filhos encaram outros desafios, como isolamento e falta de tempo até mesmo para cuidar da própria saúde. Como resultado de tamanha dedicação que a situação requer, hobbies, ginástica, amizades e outros interesses diminuem radicalmente e em muitos casos até desaparecem.

Nós, mães sempre sentimos que deveríamos estar fazendo mais – pesquisar uma nova terapia ou medicação, fazer um telefonema que possa ajudar, militando por um programa especial ou reconhecimento da causa. Somente juntar toda a papelada e relatórios que acompanham nossos filhos já é uma montanha de trabalho.

Para as que temos mais de um filho, achar um balanço entre as necessidades urgentes e o que é importante para cada criança na maioria das vezes parece uma tarefa impossível. A maioria de nós acabamos o dia tão exaustas e exauridas de energia que até dormir fica difícil, com esse quadro manter o casamento estável e nutrido é muito difícil e requer muita paciência e amizade de ambas as partes.

Administrar tanto estresse e múltiplos papéis pode acabar por fragilizar a saúde da mãe e tirar o senso de bem-estar. Porém é essencial cuidar da sua saúde física e mental para poder cuidar do seu filho com necessidades especiais pelos anos à frente.

Seu filho pode ser o que há de mais importante na sua vida, mas não pode ser o único de importante. Quando as necessidades das crianças são demais, é fácil acabar numa posição de esgotamento.

A maioria das mães, de qualquer forma, encontram em elas mesmas uma força interior que elas jamais imaginariam que existia.

Enquanto pais e outros membros da família também fazem sacrifícios, as pesquisas mostram que são as mães quem suportam o peso de cuidar e criar as crianças com necessidades especiais.

Para muitas mães, especialmente aquelas que tem filhos com necessidades especiais, nossa realidade não combina com que a sociedade nos ensinou quando éramos jovens ou crianças. Se você cresceu nos anos 70 ou 80 provavelmente tinha a impressão que você poderia ter tudo: carreira, tempo com qualidade com a família, companheirismo e igualdade com o marido, uma casa em ordem e bem administrada e ainda ter tempo para ir atrás de suas paixões.

Porém, às vezes, nós passamos a vida de uma crise a outra e parece nem haver tempo para considerar seus objetivos pessoais porque já é difícil só levar o dia-a-dia.

De acordo com pesquisas, as mães mais felizes são as que conseguem acomodar suas expectativas com o que a vida nos traz, ou seja, as que são capazes de criar novos objetivos se a vida mostra que os anteriores são inatingíveis. Esta flexibilidade é o componente chave para resiliência (a habilidade de levantar e reconstruir). Se você tem resiliência, você será capaz de enfrentar os desafios, as frustrações e as perdas sabendo que os tempos difíceis vão passar encontrando um caminho para crescer com as adversidades da vida.

Segundo o pesquisador e psicólogo Dr Christopher Peterson da University of Michigan, você tem que distinguir entre a vida que é cheia de prazeres e a que é cheia de sentido.

Dr. Martin Seligman, um pioneiro na psicologia positiva e autor do livro “Authentic Happiness: Using the New Positive Psychology to Realize Your Potential for Lasting Fulfillment” existem três níveis de felicidade:

1. A vida de prazeres: este é o que a maioria das pessoas pensam como “felicidade”que na verdade é um subproduto da mídia, a vida deve ser repleta de emoções positivas.

2. A vida ocupada: as pessoas que se colocam em posições ocupadas usam suas habilidades para serem os melhores no que fazem. Geralmente seus interesses tomam quase todo o tempo de suas vidas e esses interesses são buscados com paixão.

3. A vida com sentido: Neste nível mais alto de felicidade, as pessoas que são dedicadas usam os seus interesses e talentos para um bem maior, o de ajudar o próximo e a comunidade. Elas buscam o que elas amam, enquanto fazem parte de algo maior que elas mesmas.

Por isso se você deixou seus objetivos de vida para trás, retome-os ou pense em outros que a realidade lhe trouxe à tona, mas tenha objetivos para você mesma!

Bibliografia de apoio:

Amy Baskin e Heather Fawcett – More than Mom – Living a full and balanced life when your child has special needs.

A minha familia e meus amigos que tanto amo….sou feliz..estou feliz..e serei feliz sempre…mesmo que a vida me teste o tempo tdo…hahahahah

Beijos

Salvinha – Mae do super Biel..o caraaaa..hahahah

Enviado do meu Ipad=

3 comentários para “SER MÃE

  1. Eliamara disse:

    Salvia,

    Fernanda, minha filha encontrou Gabriel e correu para me contar: Mãe, tem outro autista no hotel. O nome dele é Gabriel e tem sete anos. Fernanda é irmã de um autista, o Guilherme de oito anos. Mais que empatia, um profundo sentimente de amor e compreensão me levou a me aproximar do casal e logo me identificar como mãe de um autista. Nesse momento nos identificamos, somente quem tem um filho autista sabe a dor e a beleza de ser o que é. É um sopro de alegria numa dimensão maior em busca de um olhar, de um sorriso e de palavras que expressem tudo o que eles são e sentem. Beijos, Eliamara.

  2. Mel Racional disse:

    Brilhante relato, o de ser mãe de um filho especial!
    Nunca presenciei um pai cuidando de um filho especial! Este marco histórico de vida humana, na terra, somente ficou com a força mais produtora e forte – a M U L H E R!
    Ai, dessa vida se não existisse a mulher!
    A mulher merece todas as Estátuas – de mãe, companheira, dona de casa, enfermeira, doutora, matemática, professora, namorada, amante e bem amada!
    Vamos empreender estátuas da mulher, o mundo precisa disto e cobra isto…
    Um doce abraço fraternal a todas as mulheres do universo!
    Mel Racional

  3. Márcia Pedroso disse:

    Mundo Novo
    02/04/2012
    Desespero diante do novo;
    Não quero, e nem preciso de algo que não conheço muito bem;
    Aliás… Já sei TUDO que preciso;
    Aceitação do diferente não faz parte do meu Eu;
    E o meu infinito é o Céu;
    Não quero mudar;
    E muito pior me adaptar;
    Autista…
    Não é realista;
    E não me importo com a sua existência;
    Pois não tenho a mínima paciência;
    Para conviver com esta demência…
    Sou superior às pessoas com esta patologia;
    Jamais farão parte de minha trilogia!
    Vou gritar aos quatro cantos do mundo que teria muita vergonha de mim;
    Se verdadeiramente pensasse assim!
    Sou mãe de uma linda criança Autista;
    E posso afirmar que é gratificante ser positivista;
    Quero conhecer, e estudar este Mundo Novo;
    Conhecido por Mundo Azul pelo povo;
    Chorei lágrimas de sangue quando a Psiquiatra me deu o diagnóstico de minha filha;
    E lendo, conhecendo, e estudando o Mundo Azul descobri a minha nova trilha;
    Há muito ritual, repetição incessante de atividade rotineira;
    Mas há, também, muita descoberta, e aprendizado que está me deixando mais verdadeira;
    Estou me sentindo muito mais humana, e por isso lhe faço este convite com muita emoção:
    Abra o seu coração;
    E entre de cabeça erguida pela porta do amigo do Autismo;
    E embarque, para o mundo do altruísmo;
    Não ignore esta oportunidade;
    E comece a Enxergar o que lhe trará a Felicidade;
    Creia nesta realidade;
    Nesta Existência deixe aflorar a sua emoção;
    Comece a enxergar com os olhos de seu coração;
    E um novo mundo irá criar;
    Mas, para isto sonhe, e não pare de sonhar…
    Chame todas as pessoas que puder, para uma grande corrente formar;
    E juntos de mãos dadas vamos, para o Mundo Novo viajar;
    Vamos o Mundo Azul conhecer;
    E ajudar aos Autistas o preconceito vencer!
    Márcia Pedroso (mãe de Rezuélen que é Autista).
    E-mail, para contato: rezuelenmariapf@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>